Estilo

Purpurine-se

Brilhar, brilhar, não só no carnaval a purpurina toma conta das ruas.

Ela tomou conta das ruas antes mesmo do carnaval chegar, a purpurina, o glitter, os brilhos, circulam por aí nas maquiagens e pelo corpo de muita gente. O ato de pôr purpurina no corpo é quase um ritual, as tribos se encontram nesse momento de embelezar-se. Assim como as tatuagens e pinturas corporais, o ritual de fazer brilhar o corpo é quase uma retribalização. Uma forma de unir as pessoas.

O carnaval traz essa miscigenação de ideias e ideais, e a união vem daí, do brincar, da troca. Muitas vezes durante os blocos e festas é possível ver pessoas passando purpurina umas nas outras, trocando cores, incrementando o visual, e de certa forma, se conhecendo trocando energia. Pode ser um detalhe simples na maquiagem, ou algo mais incrementado, que tal por quase todo corpo? Também pode! Seja ela masculina ou feminina, pra purpurinar não tem gênero nem opção sexual, ela é totalmente libertária.

Foto: Mad Dame
Foto: Mad Dame

Feita de pedaços pequeno de plástico ela gruda no corpo, na hora de retirar há de se ter cuidado, pois muitos resíduos acabam indo com a água, para os oceanos. Como tudo tem dois lados, ou mais, a gente usa, abusa, brilha e rebrilha, mas não custa ter cuidado e até mesmo ver materiais alternativos que purpurinem do mesmo jeito.

Uma dica ótima para substituir a purpurina e o glitter e mesmo assim brilhar são os pós brilhosos de confeiteiro, aqueles usados para decorar doces. Já pensou? Brilhar e de quebra o produto é algo que pode ser ingerido se problemas pelo organismo e ainda sustentável, sem prejudicar o meio ambiente. Esse tipo de pó pode ser encontrado em casas de festas.

Glitter, purpurina, brilhinho, brilhão, brilhos, brilhosos, brilhantes, se divirta, brilhe, o carnaval tá aí!

 

*Imagem destaque do post – Artista de Aluguel, projeto artístico de Elisa Brasil.

Reprodução da Internet
Reprodução da Internet
Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo